sexta-feira, 26 de junho de 2009

Os Cavaleiros da Távola Redonda

Nada como fazer uma faxina nas pastas do computador e, para particular felicidade, achar um desenho para postar. As coisas aqui estão meio paradas, mas nós não desistimos!
Com vocês, os Cavaleiros da Távola Redonda...



A Távola Redonda, antes de qualquer coisa, é uma mesa que, por ser redonda, há a ausência de uma cabeceira ou quina, ausentando, assim, um lugar de destaque. O Rei Arthur, com o ideal de unificar o reino da Bretanha, reuniu poderosos cavaleiros (donos de reinos) na Távola Redonda (um presente de seu pai), para realizar discussões que teriam como consequência o início da existência de um só reino.
Estas reuniões sempre pregavam ideais defensores dos mais fracos e de igualdade, uma forte característica presente no Código dos Cavaleiros.
Um paralelo:
Sir Thomas Malory (um novelista inglês) descreve o Código dos Cavaleiros como:
Nunca insultar nem assassinar;
Evitar sempre traição;
De forma alguma ser cruel, e conceder misericórdia a quem pedir por ela;
Socorrer sempre senhoras, damas e viúvas;
Nunca impor a sua vontade à senhoras, damas ou viúvas;
Não participar em batalhas incorretas por amor ou bens materiais.
E hoje, se existisse um Távola Redonda, quais assuntos, inseridos em quais ideais, será que seriam tratados?

4 comentários:

Beatriz Bonafé disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Beatriz Bonafé disse...

Desistir? Como assim, desistir?! Nada á veer! Bem, por mim, fico esperando o próximo post tranquilamente. =D
Antes tarde do que nunca =D

Cavaleiros de hoje.. humpf.. Tadinhos, teriam muito o que fazer, arrumar. E seriam poucos, pois muitos fazem exatamente o oposto do que diz o código dos cavaleiros.
Nunca insultar, evitar traição e não ser cruel? Bem difícil para alguns.

Jefferson disse...

Meu essa ideia foi minha em !!!!
¬¬, ele com certeza tirou essa inspiração com influência de nossas conversas sobre o código antigo dos cavaleiros. Deixo Um abraço meu amigos.

Guilherme Athaide disse...

Mas há quem diga sobre algumas entidades, sociedades secretas que ainda se reunem para decidir sobre o destino das coisas. Iluminati, por exemplo.
É claro que tudo isso é teoria da conspiração, mas os interesses defendidos por essas sociedades não seriam outros que os seus próprios, longe dos ideais da Távola Redonda.